terça-feira, 3 de março de 2009

"Há palavras que nos beijam"

Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca,
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto,
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas, inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído,
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.

Alexandre O'Neill.

4 comentários:

A disse...

Bonito :)

(não tinha realmente nada para dizer, só não escrevia aqui nada há muito tempo, e sabemos que podia ter sido pior lol)

Bjs *

Mãos de Veludo disse...

Gosto muito deste poema.. Acho que foi por causa dele que me apercebi ainda mais da magia das Letras e das palavras... =)

Mãos de Veludo disse...

ah, e tens um desafio no meu blog! para ver se o teu estaminé espevita!!

rock disse...

A: Então estás bom? Ao menos que gostes de alguma coisa que lês por aqui :p jinhos**

Mãos de Veludo: Do que conheço gosto bastante de Alexandre O'Neill e pronto este poema é lindo :D
Já me atrevi a responder às tuas mentiras, agora ando a pensar nas minhas... bigada pela ajuda, que isto precisa mesmo de espevitar! jinhos**